Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna do Rádio

Contenido Original en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Equipe

Fale Conosco

História Pampeana

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
Recortes de análise de conjuntura da semana de 12 de abril de 2015

scoop

A luta contra a terceirização absurda conseguiu polarizar o conflito de classes novamente no Brasil, ultrapassando a agenda Lacerdista por um lado e a política de ajuste neoliberal do governo, por outro

Bruno Lima Rocha, 18 de abril de 2015

 

Uma semana de luta e resistência

 

O Brasil está diante do maior ataque contra os interesses populares e o conjunto de direitos adquiridos através da CLT e a legislação trabalhista consagrada pelo varguismo-trabalhismo. Sempre temos de recordar num momento como o atual, que estes mesmos direitos trabalhistas foram fruto de 40 anos de luta sindical ilegalizada, quando “a questão social era um caso de polícia” e sequer tínhamos no Brasil uma base salarial universal. Com quatro décadas de luta, Vargas termina o trabalho sujo de Arthur Bernardes e reprime e isola o anarquismo na base sindical brasileira. O Partidão (PCB, linha de Moscou), passara de rival de Vargas a seu aliado já no início da década de ’40. Assim, o reposicionamento de Vargas com o trabalhismo e os interesses da massa sindicalizada tornara-se o paradigma dos trabalhadores nacionais. Logo, atacar a CLT é bater no fígado da classe trabalhadora, o que acarretou - ainda que tardiamente - uma resposta com poder de resistência e aglutinação, temporariamente sob comando da centro-esquerda sindical (CUT e CTB). 


ler •
enviar •



Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
A Turquia e o xadrez curdo

ilur.am

As forças armadas da Turquia conformam o segundo maior contingente dos países membros e têm na derrota militar do HPG, braço de autodefesa do PKK, formam a reserva estratégica do Confederalismo Democrático, o maior adversário.

Bruno Lima Rocha, 15 de abril de 2015

 

Nas últimas duas semanas de março comandos de infantaria do exército turco (o 2º maior contingente militar dos países membros da OTAN) atacaram bases guerrilheiras das forças do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), rompendo uma trégua unilateral bastante duradoura iniciada pela esquerda curda. A mídia internacional ignorou solenemente o fato, cuidando para não afetar a imagem da Turquia diante das audiências ocidentais. O governo de Ankara tem duas metas permanentes. Uma, é o ingresso na União Europeia; outra, a derrota militar e política da ampla base social mobilizada pelo Confederalismo Democrático organizada pelo referencial teórico de Abdullah Ocalan. Pode parecer estranho para a lógica da geopolítica, mas o Estado Turco teme mais o KCK (frente de massas e movimento popular curdo) do que a frente armada da esquerda democrática. 


ler •
enviar •



Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
A aprovação do PL 4330 e análise de conjuntura na semana da segunda leva de protestos à direita

fetrafi

O Projeto Lei 4330 autoriza a terceirização sem limites e termina por quebrar a espinha dorsal da CLT.

09 de abril de 2015, Bruno Lima Rocha

 

Com 324 votos a favor e 137 contrários (na noite de 8 de abril) o plenário da Câmara dos Deputados começou a dilacerar – de fato – as Consolidações das Leis Trabalhistas, aprovando a terceirização irrestrita mesmo para funções da atividade-fim das empresas. Há que se constara que apenas a centro-esquerda (PT e PC do B) e a esquerda (PSOL) votaram contra. O texto do relator Arthur de Oliveira Maia (aliado de Geddel, mas que concorrera e foi eleito pelo SD de Paulinho da Força) apruma a proposta original do mensaleiro Sandro Mabel (PL 4330/2004), à época do extinto PL e após passando para as fileiras do PMDB (sempre o PMDB) e aprova a precarização das relações de trabalho no Brasil.

 

Na semana que segue, as diversas emendas serão votadas na câmara baixa, mas o texto-base foi mantido, indo agora para o Senado. O rito manda que a Câmara revisora possa vir a alterar partes do projeto e caso isso ocorra, a matéria volta para a Câmara dos Deputados. Terminado o processo legislativo, o texto vai para o Planalto. Aí será a vez de vermos ou não “a vaca tossindo”. Arrisco-me a afirmar que o texto será aprovado no Senado e que Dilma possivelmente não o vetará.  Espero estar equivocado, embora já não creia em nenhuma fantasia de “inflexão à esquerda” do governo. Caso isso ocorra, afirmo que o mandato de Dilma esgota suas fontes de legitimidade (não de legalidade) e estará completamente entregue ao bel prazer de Temer, Renan e Cunha. 


ler •
enviar •



Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
Obama e a hipocrisia da Guerra ao Terror

pinterest

O presidente da superpotência não entra no tema de fundo do emprego de financiamento terrorista sunita por parte dos países produtores de petróleo

08 de abril de 2015, Bruno Lima Rocha

No dia 18 de fevereiro deste ano, em plena quarta-feira de cinzas, o presidente da superpotência, Barack Hussein Obama pronunciou um discurso ímpar. O mandatário dos EUA abria com sua boa oratória o Encontro da Casa Branca para debater soluções contra o extremismo violento. No foco de seu discurso, uma abordagem compreensiva e bastante razoável do fenômeno do terrorismo sunita de inspiração religiosa. Diretamente Obama se referia às redes Al-Qaeda e Estado Islâmico (Daesh).

 

 

Se um leigo ou alguma pessoa desinformada escutasse a fala do presidente dos Estados Unidos, acreditaria na intenção correta do mesmo. O ex-senador por Illinois é um grande orador e trouxe de improviso a melhor das tradições democráticas estadunidenses. Estas combinam uma legítima absorção do caldeirão cultural de imigrantes (melting pot) e, ao mesmo tempo, a subordinação do discurso liberal e de respeito aos direitos humanos para com a lógica da geopolítica e do mais cínico realismo nas relações internacionais. 


ler •
enviar •



Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
Operação Zelotes, Lava-Jato e as oportunidades perdidas

sindireceitaamazonas

A Operação Zelotes poderia ser a hora da virada na disputa pela legitimidade no Brasil; daria continuidade ao que fora deixado para trás quando da CPI do Banestado. Infelizmente o povo brasileiro coleciona uma série de históricas oportunidades perdidas.

"[...] o partido de governo se torna cúmplice de oligarcas e neoliberais nas relações pouco republicanas com o aparelho de Estado".....02 de abril de 2015, Bruno Lima Rocha

 

Tem momentos na história de um país em que um conjunto de forças à esquerda tem as chances históricas de quebra da hegemonia de pensamento e as coisas passam desapercebidas. Entendo que, graças ao triste fato do PT se imiscuir com o pior do Brasil nos últimos 12 anos, estamos diante de um gigantesco escândalo - evidência com provas - de sonegação fiscal com provável corrupção de agentes públicos - do primeiro escalão da Receita - e apenas a difusão destes fatos poderia colocar contra a parede o andar de cima inteiro. Apenas verificando as listas cruzadas da Lava-Jato com a Zelotes (que deixara um rombo nos cofres públicos de R$ 19 bi, o dobro da Lava-Jato), derrubamos mitos de excelência do setor privado, capacidade de competência do agente econômico e superação do setor público.

 


ler •
enviar •



Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
O Confederalismo Democrático e a Economia Coletivista

newroz

As maiorias do Curdistão vão construindo uma nova forma de vida em sociedade baseada em economia coletivista e autogestionária

02 de abril de 2015 – Bruno Lima Rocha

 

Este ensaio é o início de uma tentativa de desenvolver uma abordagem libertária de esquerda em direção a um modelo econômico, especificamente em relação a um modelo que é compatível com as formações políticas do Confederalismo Democrático, também conhecido como Municipalismo Libertário. Nesta fase, o objetivo é o desenvolvimento de um trabalho conjunto de ferramentas de análise e de aprendizagem que seja fomentado entre a Esquerda Libertária. Para este fim submeto este texto relativamente simples para fornecer noções acessíveis para aqueles que lutam para construir uma sociedade baseada na Confederalismo Democrático.

 


ler •
enviar •



Original Content in English •
Democratic Confederalism and Collectivist Economics


April 1st 2015 - Bruno Lima Rocha

This essay is the beginning of an attempt to develop a left libertarian approach toward an economic model, specifically to a model which is compatible with the political formations of Democratic Confederalism, also referred to as Libertarian Municipalism. At this stage the goal is the development of a working set of tools of analysis, and foster learning among the Libertarian Left. To this end I submit this relatively simple text to provide accessible notions for those struggling to build a society based on Democratic Confederalism.


ler •
enviar •



Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
Cenário complexo da crise política de 2015 - 1

guerrilheirodoanoitecer

A Globonews flagrara nas marchas de 15 de março faixas e palavras de ordem secundárias que, sem pudor algum, questionavam a legitimidade do atual governo e demandavam o retrocesso do Poder Moderador

24 de março de 2015, Bruno Lima Rocha

 

Neste texto seguimos com o debate para fazer um esforço analítico no sentido de ser o mais didático o possível e assim instrumentalizar o debate à esquerda do governo. Vamos começar com o tema da LEGITIMIDADE e na sequência, o início do debate quanto a QUALIDADE DA LIDERANÇA POLÍTICA.


ler •
enviar •



cadastre-se para receber nossa newsletter

  • nome:
  • e-mail:

13476 assinantes



Teoria •
texto no formato acadêmico •

Tomando posição: uma análise política da I Conferência Nacional de Comunicação (Confecom)

Valério Cruz Brittos
Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Unisinos, pesquisador do CNPq, coordenador do grupo de pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade - Cepos e vice-presidente da Unión Latina de Economía Política de la Información, la Comunicación y la Cultura (Ulepicc-Federación).
val.bri@terra.com.br

Bruno Lima Rocha
Professor no curso de Comunicação Social da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos, doutor em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, pesquisador do grupo de pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade - Cepos e vogal da Ulepicc-BR.
blimarocha@gmail.com

Paola Madeira Nazário
Pesquisadora do grupo de pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade – Cepos e mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos. madeira_nazario@hotmail.com

Resumo
Este artigo traz discussões sobre a posição adotada por alguns setores da sociedade e da política, no que tange à sua participação nos debates em torno dos movimentos em prol da democratização da comunicação e das políticas públicas para o setor, a partir da análise da I Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), bem como a falta de midiatização que essa campanha obteve. Sendo assim, o texto cruza os mais diferentes caminhos e perspectivas, passando pela correlação de forças e poder e chegando até os interesses envolvidos, adotando como pano de fundo o surgimento do processo de digitalização da televisão brasileira e a estruturação da TV pública a partir de uma aplicativa teórica e metodológica da Economia Política da Comunicação (EPC). Reconhecendo a possibilidade de um variável número de interpretações, o trabalho vai focar sua análise não apenas em busca de respostas, mas, também, na construção de perguntas pertinentes, que possam ir ao encontro dos objetivos traçados neste trabalho.

Palavras-chave
economia política da Comunicação; políticas Públicas de Comunicação; digitalização; TV pública; Confecom


ler •
enviar •

Teoria •
texto no formato acadêmico •

Comunicação, conferência e pauta de democratização

Valério Cruz Brittos, Bruno Lima Rocha e Paola Madeira Nazário

Professor titular no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Professor no Curso de Comunicação Social da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), doutor em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade – CEPOS (apoiado pela Ford Foundation) e mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Resumo

Entre os dias 14 e 17 de dezembro de 2009, em Brasília, delegados estaduais representando movimentos populares, o Estado em distintos níveis de governo e parcelas dos agentes econômicos do setor, discutiram a comunicação social brasileira em uma instância não vinculante, a 1ª Conferência Nacional de Comunicação. Trata-se de fato inédito, porém, o tema passou despercebido pela maior parte dos cidadãos. O texto debate tanto esta ausência como analisa a influência advinda da reprodução do modo de financiamento baseado na publicidade das empresas de comunicação e suas conseqüências. Analisa também questões fundamentais para estabelecer alguma paridade no contexto brasileiro, envolvendo o debate do sistema privado, público-estatal e público não-estatal. Utiliza-se como aporte teórico-metodológico a Economia Política de Comunicação (EPC), pois, a partir dessa perspectiva é possível analisar e compreender lógicas do mercado, bem como a regulação promovida por parte do Estado, e a movimentação entre os diversos setores da sociedade.

 

Palavras-chave: Conferência Nacional de Comunicação – Economia Política da Comunicação – regulação – sistemas de Comunicação Social – movimentos populares.


ler •
enviar •

Coluna do Rádio •
Opinião falada sem meias palavras •
O PL 4330 e a agenda política conservadora

Em entrevista ao programa Contraponto (16.04.2015), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta o PL 4330 e a agenda política conservadora. O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/pvmhR



A reação contra o PL da tercerização e a correlação de forças entre capital e trabalho

Coluna Mídia na Mira para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - RS - 16 de abril de 2015. Faça o download neste link: migre.me/pvken



O lacerdismo pós moderno

Coluna Mídia na Mira para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - RS - 14 de abril de 2015. Faça o download neste link: migre.me/pttbv



A conjuntura nacional pós ato da direita ideológica

Coluna Mídia na Mira para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - RS - 13 de abril de 2015. Faça o download neste link: migre.me/psKk6



Os problemas do Projeto de Lei 4330 para os trabalhadores

Em entrevista ao programa Contraponto (09.04.2015), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta os problemas do Projeto de Lei 4330 para os trabalhadores. O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/pr5uw



PL4330 da tercerização e a reação do movimento sindical

Coluna Mídia na Mira para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - RS - 09 de abril de 2015. Faça o download neste link: migre.me/potIN



Atividade massiva e pública da direita ideológica

Coluna Mídia na Mira para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - RS - 07 de abril de 2015. Faça o download neste link: migre.me/potOi

 



A relação tensa entre o PMDB e o PT

Em entrevista ao programa Contraponto (02.04.2015), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta a relação tensa entre o PMDB e o PT. O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/phn6S



A investigação na Operação Zelotes

Coluna Mídia na Mira para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - RS - 31 de março de 2015. Faça o download neste link: migre.me/pfniD



A submissão do atual governo no âmbito do capital financeiro

Em entrevista ao programa Contraponto (26.03.2015), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta a submissão do atual governo no âmbito do capital financeiro. O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/pbIpO



A revolução popular curda e a situação no Oriente Médio

Coluna Análise Internacional para o Jornal dos Trabalhadores da rádio da Rede Abraço-RS – 24 de março de 2015.

Faça o download neste link: migre.me/p9oIw



Demissão de Cid Gomes no Ministério da Educação

Em entrevista ao programa Contraponto (19.03.2015), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta a demissão de Cid Gomes no Ministério da Educação.

O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/p5Lb7



Avaliação da Marcha da direita no domingo (15/03)

Coluna Mídia na Mira para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - RS - 17 de março de 2015. Faça o download neste link: migre.me/p42mP



Crítica ao Partido da Imprensa Golpista

Coluna Mídia na Mira para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - RS - 12 de março de 2015. Faça o download neste link: migre.me/p1bT9



Análise Internacional: o Dia Internacional da Mulher e a força feminina no Curdistão

Coluna Análise Internacional para o Jornal dos Trabalhadores da rádio da Rede Abraço-RS – 09 de março de 2015.

Faça o download neste link: migre.me/oYcrQ



A agência Standard & Poor’s visitou ao Ministério da Fazenda

Em entrevista ao programa Contraponto (05.03.2015), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta a visita da agência Standard & Poor’s no Ministério da Fazenda.

O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/oTzXh



Análise Internacional: acompanhando a Revolução de Rojava

Coluna Análise Internacional para o Jornal dos Trabalhadores da rádio da Rede Abraço-RS – 03 de março de 2015.

Faça o download neste link: migre.me/oRv9i



O ato da Federação Única dos Petroleiros e a crise na Petrobras

Em entrevista ao programa Contraponto (26.02.2015), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta o ato da Federação Única dos Petroleiros e a crise na Petrobras.

O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/oMIDY



A crise política no Brasil

Em entrevista ao programa Contraponto (19.02.2015), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta a crise política no Brasil.

O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/oG3lr