Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna do Rádio

Contenido Original en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Equipe

Fale Conosco

História Pampeana

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
Brasil: el objetivo de Washington

Blog de Diego Manuel Vidal

27 de mayo de 2016, Bruno Lima Rocha

Diego Manuel Vidal entrevista al politólogo Bruno Lima Rocha. La cuestión que se aborda en el programa Crónicas y cicatrices es Brasil: el objetivo de Washington.

La entrevista completa: http://migre.me/tX32S


ler •
enviar •



Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
No rastro da nova-velha direita e o giro reacionário do senso comum brasileiro – 1


Estes dois operadores político-religiosos de matriz econômica se aproximam de um programa ultraliberal, com as viúvas e viúvos da ditadura e um culto ao revanchismo da linha dura diante da transição negociada comandada por Ernesto Geisel e Golbery do Couto e Silva.

23 de maio de 2016, Bruno Lima Rocha

Introdução

Neste primeiro artigo para o Comitê em Defesa da Democracia a ser publicado no Jornal Já e redistribuído através das redes alternativas, inicio uma breve série tentando mapear a nova (velha) direita. O objetivo deste e dos textos que seguem é tentar identificar a origem contemporânea do giro reacionário do senso comum brasileiro e suas similitudes com o conservadorismo dos EUA, e, por consequência, a transferência do léxico, do glossário e das identidades políticas gestadas no interior do sistema político do Império. Entendo que, se identificarmos os focos domésticos e internacionais do pensamento conservador, reacionário, ultraliberal e com laços neofascistas, estaremos aptos a tentar estancar o que venho afirmando como “fedor de linha chilena” tendo vasto crescimento no Brasil.


ler •
enviar •



Pensamento Libertário •
as bases do pensamento, doutrina e teoria política da democracia radical com a igualdade social •
Tragédia anunciada e a capitulação da esquerda estatista – Parte I

wiki

Lula e Michel Temer sempre mantiveram canais de conversação, fazendo parte do arsenal político da ex-esquerda a permanente conexão com os oligarcas

Pablo Misraji, maio de 2016

Estamos vivendo um dos momentos mais intensos e críticos da história da política brasileira, que desde a eleição deste recente Congresso foi levado ao extremo do lobby parlamentar e correntes de interesses frente ao vazio deixado pós manifestações das Jornadas de Junho (J13). Diante da impostura calcada numa aliança governista, a nova configuração do Senado e do Congresso coloca para fora as entranhas de sua natureza. Conquistas trabalhistas, direitos sociais, retrocesso dado pelas bancadas do concreto, do moralismo religioso, ruralistas, frações da extrema direita numa combinação de tudo aquilo que a sombra de 34 e 64 representaram no espectro tanto do progressismo, quanto da luta anticapitalista no Brasil. Ao final de seus 16 anos de governo é que a classe trabalhadora observa a sua capitulação. Não foi sem aviso. Alianças feitas com os setores mais retrógados da canalha arenista, garantida por falsas governanças, a tendência judiciária acometida pelo quarto poder, são elementos que caracterizam a própria natureza de um novo estilo que marca o período.


ler •
enviar •



Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
O afastamento da presidente Dilma Rousseff. Uma reflexão crítica pela esquerda


No triste discurso de Dilma Rousseff, a presidente enumera suas dores, todas respeitáveis. Mas, sinceramente, o que mais dói é ver uma ex-guerrilheira ser derrubada por uma base de direita com a qual ela própria aceitou como aliada de conveniência.

16 de maio de 2016, Bruno Lima Rocha

O Senado concluiu por volta de 6h30min da manhã de 12 de maio de 2017 um golpe branco, perfeitamente orquestrado, afastando a presidente reeleita Dilma Rousseff, por 55 votos a favor do afastamento contra 22 pela manutenção no cargo. Com esta votação, o PMDB chega ao poder pela terceira vez de forma indireta. Antes com Tancredo Neves e José Sarney em 1985, no retorno de Itamar Franco para a legenda de Ulisses Guimarães em 1992 após o impeachment de Fernando Collor de Mello e agora com Michel Temer assumindo o Planalto por ter sido reeleito na mesma chapa da ex-guerrilheira. Dilma recebera 54 milhões de votos em 2014 e trazia consigo o vice-presidente eleito com ela em 2010, através de uma aliança defendida ainda no governo pelo ex-ministro da Casa Civil de Lula, José Dirceu de Oliveira e Silva em 2005 e ampliada pela hoje presidente afastada quando a mesma fora indicada para a pasta antes ocupada pelo ex-todo poderoso capa preta da legenda petista.


ler •
enviar •



Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
O golpe no Brasil: duas variáveis externas incidem no ambiente doméstico


Os brasileiros estão diante de um golpe parlamentar, onde se aplica uma espécie de semi-parlamentarismo. O tema de fundo é garantir que o Poder Executivo não eleve seus gastos, não distribua renda através de relações de políticas sociais ou distribuição pela via da clientela.

06 de maio de 2016, Bruno Lima Rocha

Neste breve texto, desenvolvo duas ideias complementares. Uma, diz respeito ao aval de legitimação recusado pela mídia anglo-saxã e europeia diante do movimento de golpe com cobertura de impeachment no Brasil. Na segunda, outra dimensão substantiva do golpe, quando o Parlamento brasileiro assume parcelas importantes do Poder de Estado, justamente para diminuir a capacidade de intervenção do Estado na ordem social, em especial no que diz respeito das bases da Constituição de 1988 em seus aspectos mais progressistas e garantistas de distribuição de renda, reforçando as funções públicas e democratizantes do aparelho de Estado. Este pacto de 1988, este pacto pós-abertura política, está findando e assim o sistema político (implodindo por poluição de excesso de siglas) se polariza na multiplicidade de representantes com cada vez menos legitimidade nesta mesma representação. Vamos ao debate, pois a conjuntura brasileira arde e urge por este.


ler •
enviar •



Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
A crise política e possíveis caminhos e descaminhos da democracia brasileira


Esta não é a democracia, é a enganação ilusória com nome de democracia. A democracia nasce da liberdade política e a reivindicação dos direitos coletivos, na forma de movimentos massivos e com plena democracia interna.

28 de abril de 2016, Bruno Lima Rocha

Introdução

O Brasil vive um momento bastante interessante do ponto de vista analítico e desesperador para quem deseja transformar a sociedade brasileira do ponto de vista igualitário. Seria uma ilusão não observar que estamos diante de um golpe de Estado consumado dentro dos ritos formais de nosso arcabouço jurídico-institucional. Como vem sendo afirmado a partir de dois pensadores contemporâneos bastante lúcidos na crítica por esquerda – Vladimir Safatle – e por centro-esquerda – caso do hoje fundamental, Jessé Souza – o momento aponta o final do pacto de Golbery do Couto e Silva da abertura política e a meta estratégica é terminar a tarefa dos acordos de regulação social e os direitos avançados na Constituição de 1988. Para tanto, podemos passar pela aventura da direita (a que estava no governo até duas semanas atrás) e a da proponente do impeachment (a que estava na oposição formal), de um golpe com frágeis bases jurídicas e a derrota histórica para o processo de conciliação de classes, base do lulismo como estrutura de governo, pacto este que já fora operacionalizado por José Dirceu e executado pela hoje presidente Dilma Rousseff, quando a mesma substitui ao primeiro na pasta da Casa Civil, garante a consecução das obras do PAC e com isso assegura a reeleição de Lula em 2006.


ler •
enviar •



Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
Os limites da democracia brasileira como ela é


O cientista político Bruno Lima Rocha analisa o atual cenário político brasileiro.

Análise política - neste audiovisual, demarcamos os limites da democracia brasileira.

Segue o link e fico no aguardo das críticas: http://migre.me/tCJxO


ler •
enviar •



Artigos •
para jornal, revistas e outras mídias •
Análise pós votação do impeachment e o perfil da política profissional brasileira


O cientista político Bruno Lima Rocha analisa o atual cenário político brasileiro.

Análise política - neste audiovisual, demarcamos a análise pós votação do impeachment e o perfil da política profissional brasileira.

Segue o link e fico no aguardo das críticas: http://migre.me/tBWqh


ler •
enviar •



cadastre-se para receber nossa newsletter

  • nome:
  • e-mail:

13570 assinantes



Teoria •
texto no formato acadêmico •

Tomando posição: uma análise política da I Conferência Nacional de Comunicação (Confecom)

Valério Cruz Brittos
Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Unisinos, pesquisador do CNPq, coordenador do grupo de pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade - Cepos e vice-presidente da Unión Latina de Economía Política de la Información, la Comunicación y la Cultura (Ulepicc-Federación).
val.bri@terra.com.br

Bruno Lima Rocha
Professor no curso de Comunicação Social da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos, doutor em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, pesquisador do grupo de pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade - Cepos e vogal da Ulepicc-BR.
blimarocha@gmail.com

Paola Madeira Nazário
Pesquisadora do grupo de pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade – Cepos e mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos. madeira_nazario@hotmail.com

Resumo
Este artigo traz discussões sobre a posição adotada por alguns setores da sociedade e da política, no que tange à sua participação nos debates em torno dos movimentos em prol da democratização da comunicação e das políticas públicas para o setor, a partir da análise da I Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), bem como a falta de midiatização que essa campanha obteve. Sendo assim, o texto cruza os mais diferentes caminhos e perspectivas, passando pela correlação de forças e poder e chegando até os interesses envolvidos, adotando como pano de fundo o surgimento do processo de digitalização da televisão brasileira e a estruturação da TV pública a partir de uma aplicativa teórica e metodológica da Economia Política da Comunicação (EPC). Reconhecendo a possibilidade de um variável número de interpretações, o trabalho vai focar sua análise não apenas em busca de respostas, mas, também, na construção de perguntas pertinentes, que possam ir ao encontro dos objetivos traçados neste trabalho.

Palavras-chave
economia política da Comunicação; políticas Públicas de Comunicação; digitalização; TV pública; Confecom


ler •
enviar •

Teoria •
texto no formato acadêmico •

Comunicação, conferência e pauta de democratização

Valério Cruz Brittos, Bruno Lima Rocha e Paola Madeira Nazário

Professor titular no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Professor no Curso de Comunicação Social da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), doutor em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade – CEPOS (apoiado pela Ford Foundation) e mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Resumo

Entre os dias 14 e 17 de dezembro de 2009, em Brasília, delegados estaduais representando movimentos populares, o Estado em distintos níveis de governo e parcelas dos agentes econômicos do setor, discutiram a comunicação social brasileira em uma instância não vinculante, a 1ª Conferência Nacional de Comunicação. Trata-se de fato inédito, porém, o tema passou despercebido pela maior parte dos cidadãos. O texto debate tanto esta ausência como analisa a influência advinda da reprodução do modo de financiamento baseado na publicidade das empresas de comunicação e suas conseqüências. Analisa também questões fundamentais para estabelecer alguma paridade no contexto brasileiro, envolvendo o debate do sistema privado, público-estatal e público não-estatal. Utiliza-se como aporte teórico-metodológico a Economia Política de Comunicação (EPC), pois, a partir dessa perspectiva é possível analisar e compreender lógicas do mercado, bem como a regulação promovida por parte do Estado, e a movimentação entre os diversos setores da sociedade.

 

Palavras-chave: Conferência Nacional de Comunicação – Economia Política da Comunicação – regulação – sistemas de Comunicação Social – movimentos populares.


ler •
enviar •

Coluna do Rádio •
Opinião falada sem meias palavras •
Entrevista Coletiva – O cenário político atual e a análise das primeiras semanas do governo Temer.

Entrevista Coletiva produção e apresentação dos alunos de jornalismo da FABICO com orientação da Professora Sandra de Deus. Neste programa de três partes o cientista político, Bruno Lima Rocha, comenta o cenário político atual e a analisa as primeiras semanas do governo Temer.

Faça o download da primeira parte neste link: migre.me/tUREW

Ouça no SoundCloud a primeira parte: migre.me/tUSqN

Faça o download da segunda parte neste link: migre.me/tURGi

Ouça no SoundCloud a segunda parte: migre.me/tUSuG

Faça o download da terceira parte neste link: migre.me/tURHh

Ouça no SoundCloud a terceira parte: migre.me/tUSzS



Columna de radio - análisis político de la realidad brasileña en castellano

Esta es la columna semanal de radio (20.05.2016), en castellano, del politólogo y docente de ciencia política y relaciones internacionales, Bruno Lima Rocha. Esta semana se comentan la composición ministerial de Temer, los titulares de Economía, Planificación, Justicia e Inteligencia del gobierno golpista.

Para descargar este audio, haga clic en este enlace: migre.me/tUMAM

Escuchar en SoundCloud: migre.me/tUMKY



O perfil do governo Temer

Análise de Conjuntura Política Nacional para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - SC – 13 de maio de 2016.

Faça o download neste link: migre.me/tKVB9

Ouça no SoundCloud:  migre.me/tKW7R



Análise política após o processo de impeachment no Senado

Análise de Conjuntura Política Nacional para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - SC – 12 de maio de 2016.

Faça o download neste link: migre.me/tKgte

Ouça no SoundCloud: migre.me/tKhl8



Columna de radio - análisis político de la realidad brasileña en castellano

Esta es la columna semanal de radio (12.05.2016), en castellano, del politólogo y docente de ciencia política y relaciones internacionales, Bruno Lima Rocha. Esta semana se comentan lo que sucede después del Impeachment en el Senado.

Para descargar este audio, haga clic en este enlace: migre.me/tKf4V

Escuchar en SoundCloud: migre.me/tKfBH



A defesa do advogado-geral da União na comissão do impeachment no Senado

Análise de Conjuntura Política Nacional para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - SC – 06 de maio de 2016.

Faça o download neste link: migre.me/tI9ge

Ouça no SoundCloud: migre.me/tI9jn



Columna de radio - análisis político de la realidad brasileña en castellano

Esta es la columna semanal de radio (01.05.2016), en castellano, del politólogo y docente de ciencia política y relaciones internacionales, Bruno Lima Rocha. Esta semana se comentan la votación sobre el processo de juicio político em la Câmara de Diputados.

Para descargar este audio, haga clic en este enlace: migre.me/tF9hS

Escuchar en SoundCloud: migre.me/tF9ra



Análise política do processo de impeachment no Senado

Em entrevista ao programa Contraponto (29.04.2016), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta o processo de impeachment no Senado. O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/tDYDX

Ouça no SoundCloud: migre.me/tDYXJ



O processo de impeachment elaborado pelos cleptocratas

Em entrevista ao programa Contraponto (15.04.2016), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta o processo de impeachment elaborado pelos cleptocratas. O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/twQPA

Ouça no SoundCloud: migre.me/twQVT



O apoio dos senadores Renan Calheiros e Valdir Raupp na solicitação das eleições gerais

Análise de Conjuntura Política Nacional para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - SC – 08 de abril de 2016.

Faça o download neste link: migre.me/tt2Ax

Ouça no SoundCloud: migre.me/tt2Ks



O impasse na política brasileira

Em entrevista ao programa Contraponto (08.04.2016), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta o impasse na política brasileira. O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/tsViI

Ouça no SoundCloud: migre.me/tsVLj



A fragilidade da base aliada do governo Dilma

Análise de Conjuntura Política Nacional para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - SC – 07 de abril de 2016.

Faça o download neste link: migre.me/tszTH

Ouça no SoundCloud: migre.me/tsA6a



A saída do PMDB e a nova base do governo Dilma

 

Em entrevista ao programa Contraponto (01.04.2016), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta a saída do PMDB e a nova base do governo Dilma. O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/tppT3

Ouça no SoundCloud: migre.me/tpqVQ



BRICS - A nova hegemonia mundial

Análise de Conjuntura Política Nacional para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - SC – 29 de março de 2016.

Faça o download neste link: migre.me/tnP1o

Ouça no SoundCloud: migre.me/tnPbV



O roteiro do golpe institucional

Análise de Conjuntura Política Nacional para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - SC – 28 de março de 2016.

Faça o download neste link: migre.me/tnj2B

Ouça no SoundCloud: migre.me/tnj6f



Columna de radio - análisis político de la realidad brasileña en castellano

Esta es la columna semanal de radio (28.03.2016), en castellano, del politólogo y docente de ciencia política y relaciones internacionales, Bruno Lima Rocha. Esta semana se comentan el gobierno indefendible em Brasil.

Para descargar este audio, haga clic en este enlace: migre.me/tnhYN

Escuchar en SoundCloud: migre.me/tnisV



O golpe jurídico-midiático na política brasileira

Análise de Conjuntura Política Nacional para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - SC – 21 de março de 2016.

Faça o download neste link: migre.me/tjDSH

Ouça no SoundCloud: migre.me/tjE5j



O governo indefensável e a sobreposição da justiça

Em entrevista ao programa Contraponto (18.03.2016), o cientista político Bruno Lima Rocha comenta o governo indefensável e a sobreposição da justiça. O programa Contraponto vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30min, podendo ser ouvido – ao vivo – pelo www.radiocom.org.br

 

Para fazer download da entrevista clique neste link: migre.me/thSrU

 

Ouça no SoundCloud: migre.me/thT4q

 



Os níveis da Operação Lava Jato

Análise de Conjuntura Política Nacional para o Jornal dos Trabalhadores da Rede Abraço - SC – 10 de março de 2016.

Faça o download neste link: migre.me/tdgJG

Ouça no SoundCloud: migre.me/tdgNg