Estratégia & Análise
ISSN 0033-1983
Principal

Artigos

Clássicos da Política Latino-Americana

Coluna Além das Quatro Linhas

Coluna de Rádio

Contenido en Castellano

Contos de ringues e punhos

Democracy Now! em Português

Democratização da Comunicação

Fale Conosco

LARI de Análise de Conjuntura Internacional

NIEG

Original Content in English

Pensamento Libertário

Publicações

Publicações em outros idiomas

Quem Somos

Sobre História

Sugestão de Sites

Teoria



Apoiar este Portal

Apoyar este Portal

Support this Website



Site Anterior




Creative Commons License



Busca



RSS

RSS in English

RSS en Castellano

FeedBurner

Receber as atualizações do Estratégia & Análise na sua caixa de correio

Adicionar aos Favoritos

Página Inicial
















































Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •
Ditadura de classe, golpe branco e o início do fim dos direitos sociais no Brasil


O início dos ataques recente ao mundo do trabalho começaram em 2015

12 de julho de 2017, Bruno Lima Rocha

O momento político brasileiro caracteriza a ditadura de classe no país e é uma aula explícita do ato de legislar em causa própria, logo, atendendo o próprio interesse.  A representação através da democracia indireta é desde as chamadas “revoluções liberais inglesas” (como a de 1648 e a invasão de 1688) o instrumento político da ascensão de uma classe. Parece manual de política, e é. Vejamos o exemplo no Brasil atual.  


ler •
enviar •



Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •
O Brasil na encruzilhada: a denúncia na CCJ e o compadrio oligárquico do Jaburu

Pactos e acórdãos inconfessáveis para tentar salvar um governo ilegítimo

6 de julho de 2017, Bruno Lima Rocha

Como afirmei na última análise de conjuntura, a velocidade dos fatos e o ritmo de relaxamento de prisões e encarceramento de operadores na atual fase da Lava Jato não nos permitem uma avaliação de maior fôlego.  No primeiro texto após a denúncia feita pelo procurador geral Rodrigo Janot tendo ao presidente Michel Temer como alvo eu comentei o absurdo das reclamações atuais contra o poder discricionário da Força Tarefa. Sempre critiquei tal poder e digo que observo o emprego de Lawfare – em escala internacional – tendo o país (o Estado brasileiro) como alvo. Hoje, abunda um festival de hipocrisia institucional.  Quem aplaudia condena e quem condenou se cala. Neste breve texto, observamos outro dilema: a denúncia da PGR esbarrando no compadrio com base na canela do Executivo, residindo no Jaburu. 


ler •
enviar •



Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •
Análise inicial após a denúncia do PGR tendo Michel Temer como alvo

24hsnews

O presidente ilegítimo e seu algoz voluntário

28 de junho de 2017, Bruno Lima Rocha

É muito difícil neste momento não cair em redundâncias ou lugar-comum. O imponderável ainda "prepondera" e a capacidade de fornecer munição política através de denúncias jurídicas tem uma dimensão incalculável, ao menos enquanto a composição da equipe da Lava-Jato estiver articulada e tendo Rodrigo Janot à frente. Antes de entrar em predição  das manobras políticas e jurídicas, vamos interpretar de forma sucinta os constrangimentos estruturantes que incidem sobre a realidade brasileira da segunda década do século XXI. 


ler •
enviar •



Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •
Revisitando Aníbal Quijano e a colonialidade do poder na América Latina

ipnews

A saída está em redescobrirmos a nós mesmos e descolonizar nossas atuações

21 de junho de 2017, Bruno Lima Rocha 

Oferecemos aqui uma revisitação ao clássico de Aníbal Quijano: “A Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina” (ver na íntegra em castelhano: http://bit.ly/1KIaWYi). O intelectual peruano escreveu em forma de artigo acadêmico um texto que deu base a uma proposta epistemológica para interpretar corretamente nossas estruturas societárias e perspectivas históricas latino-americanas, buscando livrar-nos das armadilhas do eurocentrismo. Produzido no auge do período neoliberal da década de ’90 do século XX e lançado no primeiro ano do novo século, segue mais atual do que nunca, em especial após a nova-velha guinada à direita de nossos países no Continente. 


ler •
enviar •



Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •
Após a votação no TSE, aumentam as chances de Temer seguir no cargo até as eleições de 2018

poder360

O presidente do TSE e ministro do supremo, Gilmar Mendes, deu o voto de minerva na absolvição da chapa Dilma-Temer

12 de junho de 2017, Bruno Lima Rocha

Introdução: o TSE não auxiliou na queda de Temer, e agora?

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) finalmente terminou o julgamento tantas vezes protelado, até porque foi arbitrado em função dos tempos políticos da oposição, agora co-governo, quando do início da denúncia. Vale recordar que a ação foi motivada por vingança política do ex-candidato e senador pelo PSDB de Minas Gerais, Aécio Neves, derrotado no acirrado pleito de 2014.

Agora, na decisão final, vale a máxima de “defender a normalidade institucional”, sempre e quando esta favoreça a correlação de turno. Gilmar Mendes, sempre ele, seguindo o voto dos ministros Napoleão Nunes Maia, Admar Gonzaga (indicado por Michel Temer e ex-advogado da campanha de Dilma em 2010) e Tarcísio Vieira (também indicado pelo presidente MT), desempatou a causa. Mendes votou contrário aos ministros Herman Benjamin (relator), Luiz Fux e Rosa Weber. Vale recordar que Mendes, Fux e Weber também são membros do STF, e estarão julgando, avaliando uma hipotética acusação formal do PGR Rodrigo Janto contra o atual presidente. 


ler •
enviar •



Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •
Análise do curtíssimo prazo após a repressão de 24 de maio de 2017

istoe

A PMDF reprimiu à vontade e foi "surpreendida" pelo decreto de GLO da Presidência

30 de maio de 2017, Bruno Lima Rocha

Introdução

O Brasil está em transe político, vivendo com intensidade cada hora de noticiário e cobertura da Operação Lava-Jato a partir da mudança de alvo, ou da exposição do presidente Michel Temer (MT) e seus assessores diretos como possíveis envolvidos na trama de intermediação por serviços prestados no exercício de função pública. A Procuradoria Geral da República (PGR) e sua base operacional de Brasília tomou a frente dos pares de Curitiba e num lance ousado, emparedou o mandatário com baixíssima legitimidade. A conta é simples: pouca legitimidade, um programa anti-popular não abalizado pelas urnas e agora o fiapo de legalidade se esvaindo. Do outro lado, as baterias investigativas da Polícia Federal (PF) sob coordenação direta da Força Tarefa e os acordos de convênio e cooperação com distintos países, mas com destaque para os convênios de EUA e Suíça (no típico "follow the money", siga o dinheiro).


ler •
enviar •



Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •
Análise de conjuntura da crise política após os dois pronunciamentos de Michel Temer

ggn

MT em crise permanente

Bruno Lima Rocha, 23 de maio de 2017

Introdução

Os acontecimentos da política nacional brasileira e sua interseção jurídica, policial e midiática vêm sendo vertiginosos. Desde a 4ª, 17 de maio, quando o colunista de O Globo deu “o vazamento de todos os vazamentos”, pois realizou um “furo” na base do fontismo e da exclusividade, as ações e reações, posicionamentos e recuperações de posições por parte do ainda presidente Michel Temer, mal nos permitem o tempo hábil de processar o que ocorre e transformar em análise. No texto que segue, avaliamos temas de interesse e ao final, apontamos uma via normativa – de tipo dever ser – onde afirmamos uma posição pela radicalidade democrática. Vamos ao debate, temos muito o que fazer.


ler •
enviar •



Artigos •
Para jornais, revistas e outras mídias •
Análise da crise política ao calor do momento

viomundo

O ex-deputador federal Eduardo Cunha e o futuro ex-presidente Michel Temer

18 de maio de 2017, Bruno Lima Rocha

Introdução para a “mãe de todos os furos”

Como o país inteiro sabe, às 19.30 no sítio eletrônico do Jornal O Globo, o colunista Lauro Jardim deu a mãe de todos os furos (ver: http://migre.me/wDFem). Imediatamente a emissora líder entrou de plantão, a nota chegou ao Congresso nacional, as duas sessões (Câmara e Senado) foram suspensas e o Planalto chamou uma reunião de emergência, com a presença dos ministros de confiança do presidente Michel Temer e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Nesta reportagem bombástica, haveria evidência o suficiente para imputar ação criminosa do presidente da República no exercício do cargo, assim como uma compra de “ajuda financeira” para a defesa legal do senador Aécio Neves (PSDB-MG) com lavagem na sequência, através de empresa do também senador tucano e mineiro, Zezé Perrella. 


ler •
enviar •



cadastre-se para receber nossa newsletter

  • nome:
  • e-mail:

13706 assinantes



Teoria •
texto no formato acadêmico •

Fernando Collor, proprietário e político: o uso da Gazeta de Alagoas como prática para o coronelismo eletrônico

Júlia Klein é jornalista graduada pela Unisinos e estudante de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda, na UFRGS.

Bruno Lima Rocha é professor do curso de Relações Internacionais da Unisinos, pesquisador do grupo Cepos e doutor
em Ciência Política pela UFRGS. 

Resumo:

Analisamos o conteúdo jornalístico praticado pelo jornal Gazeta de Alagoas, durante a cobertura de três períodos eleitorais distintos: 2002, 2006 e 2010. No estudo, Fernando Collor de Mello, proprietário do impresso que integra o maior grupo de comunicação de Alagoas, prova o uso de seu jornal como ferramenta política durante as três eleições disputadas, comprovando a parcialidade do veículo e o mau exercício do jornalismo. Na pesquisa, também abordamos como o coronelismo eletrônico mantém sua força através de alianças com os grandes conglomerados de comunicação, iniciada já durante o primeiro governo de Getúlio Vargas. 

Palavras-chave: Mídia e política; Políticas de comunicação; Radiodifusão; Oligopólio das comunicações; Conteúdo jornalístico.

 

 


ler •
enviar •

Teoria •
texto no formato acadêmico •

Tomando posição: uma análise política da I Conferência Nacional de Comunicação (Confecom)

Valério Cruz Brittos
Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Unisinos, pesquisador do CNPq, coordenador do grupo de pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade - Cepos e vice-presidente da Unión Latina de Economía Política de la Información, la Comunicación y la Cultura (Ulepicc-Federación).
val.bri@terra.com.br

Bruno Lima Rocha
Professor no curso de Comunicação Social da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos, doutor em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, pesquisador do grupo de pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade - Cepos e vogal da Ulepicc-BR.
blimarocha@gmail.com

Paola Madeira Nazário
Pesquisadora do grupo de pesquisa Comunicação, Economia Política e Sociedade – Cepos e mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos. madeira_nazario@hotmail.com

Resumo
Este artigo traz discussões sobre a posição adotada por alguns setores da sociedade e da política, no que tange à sua participação nos debates em torno dos movimentos em prol da democratização da comunicação e das políticas públicas para o setor, a partir da análise da I Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), bem como a falta de midiatização que essa campanha obteve. Sendo assim, o texto cruza os mais diferentes caminhos e perspectivas, passando pela correlação de forças e poder e chegando até os interesses envolvidos, adotando como pano de fundo o surgimento do processo de digitalização da televisão brasileira e a estruturação da TV pública a partir de uma aplicativa teórica e metodológica da Economia Política da Comunicação (EPC). Reconhecendo a possibilidade de um variável número de interpretações, o trabalho vai focar sua análise não apenas em busca de respostas, mas, também, na construção de perguntas pertinentes, que possam ir ao encontro dos objetivos traçados neste trabalho.

Palavras-chave
economia política da Comunicação; políticas Públicas de Comunicação; digitalização; TV pública; Confecom


ler •
enviar •

Coluna de Rádio •
Opinião falada sem meias palavras •
O Senado esquarteja os direitos dos trabalhadores

14 de julho de 2017 - O assassinato dos direitos do mundo do trabalho e a agenda regressiva pós-golpe. Ouça neste link: http://abracosc.com.br/?p=17810

Comentário sobre a sessão de comissão de constituição de justiça da Câmara

12 de julho de 2017 - A CCJ e o Brasil como ele, visto de cima. Ouça o áudio neste link: http://abracosc.com.br/?p=17781

A encruzilhada do relator da CCJ na denúncia contra Temer

Análise de conjuntura, 5 de julho de 2017. Sergio Zveiter, deputado federal do PMDB do Rio é o relator da denúncia contra Temer na CCJ da Câmara. Enquanto isso, o residente do Jaburu reforça a base aliada por conveniência recebendo 22 parlamentares em 13 horas de agenda oficial no dia 4 de julho. A parábola de Roberto Cardoso Alves ganha corpo e forma escancarada. A coluna é do JTSC e enviada para centenas de emissoras comunitárias do país. NESTE LINK http://abracosc.com.br/?p=17667

Temer como alvo da denúncia da PGR por crime comum

3 de julho de 2017 - Análise com Bruno Lima Rocha – Comentário sobre o presidente Michel Temer como alvo de denúncia da PGR (JTSC) LINK: http://abracosc.com.br/?p=17625

O envio da denúncia do procurador Rodrigo Janot para o supremo e o despacho imediato do ministro relator da Lava-Jato, Fachin

29 de junho de 2017 - Nesta coluna, analisamos as possibilidades de abertura de investigação no Câmara tendo a Michel Temer como alvo da denúncia da PGR - LINK: http://abracosc.com.br/?p=17577

Desmontando os factoides da segurança de Estado ou da ausência da contra-inteligência nas instituições

26 de junho de 2017 - Análise com Bruno Lima Rocha: O pedido de varredura eletrônica nos gabinetes dos ministros do STF - NESTE LINK http://abracosc.com.br/?p=17453

A Operação Mãos Limpas, versão brasileira e suas disputas internas

Nesta coluna do Rádio, de 19 de junho de 2017, abordamos a versão nacional da operação "Mãos Limpas", que é sustentada por dois pilares principais: a força tarefa de Curitiba, com um sistema de crenças liberais afloradas e a força tarefa de Brasília, comandada diretamente por Rodrigo Janot. Neste link: https://soundcloud.com/user-877051375/1962017-analise-politica-cmo-bruno-lima-rocha

A suposta orientação do Planalto para a ABIN espionar o ministro Fachin do STF

14 de junho de 2017 - Análise radiofônica para o JTSC, a respeito da suposta ordem do presidente Michel Temer, para, hipoteticamente, a ABIN hipoteticamente investigar a vida e a conduta do ministro Luiz Edson Fachin, do STF e relator da Lava-Jato. LINK: http://abracosc.com.br/?p=17411

Análise radiofônica para o Jornal dos Trabalhadores - a permanência de Temer após o resultado no TSE

12 de junho de 2017 - As chances de Temer continuar aumentam - e muito - após o resultado do julgamento no TSE. NESTA COLUNA - http://abracosc.com.br/?p=17378

As manobras parlamentares e a tentativa de salva o governo Temer

05 de junho de 2017 - análise política para o Jornal dos Trabalhadores/SC; as tentativas de salvação do governo Temer. Neste link: http://abracosc.com.br/?p=17248

A dimensão internacional da auditoria da Petrobrás e da defesa jurídica da JBS

ANÁLISE DE CONJUNTURA NACIONAL PARA O JORNAL DOS TRABALHADORES - Neste áudio, a dimensão geopolítica dos acordos da Lava-Jato e a presença de auditoria jurídica na Petrobras, sendo o mesmo escritório que faz a defesa da JBS aqui e nos EUA. No link abaixo: http://abracosc.com.br/?p=17148

Análise radiofônica a partir da troca do ministro da Justiça

Análise a partir da entrada de Torquato Jardim no ministério da Fazenda e a recusa de Osmar Serraglio em assumir a Transparência. Também abordamos o alinhamento midiático contra e a favor de Temer e o racha da direita em relação a continuidade do governo ilegítimo. LINK http://abracosc.com.br/?p=17129

Análise em áudio, o Brasil após a repressão de 24 de maio de 2017

Nesta coluna radiofônica para o Jornal dos Trabalhadores-ABRAÇO/SC, analisa-se o decreto de Garantia da Lei e da Ordem, assinado como medida desesperada do governo ilegítimo, durante o auge da repressão ao Ocupa Brasília, na 4a dia 24 de maio de 2017 LINK: http://abracosc.com.br/?p=17021

Análise de Bruno Lima Rocha – Coluna após o Pronunciamento do Presidente Michel Temer no sábado 20

Coluna do Rádio - análise para o Jornal dos Trabalhadores - Abraço/SC http://abracosc.com.br/?p=16943

O cenário político brasileiro

20 de abril de 2017 - Análise de Conjuntura Política Nacional para o Jornal dos Trabalhadores, da Rede Abraço SC.

Ouça aqui: http://abracosc.com.br



A Cena política brasileira e as relações promíscuas entre o governo deposto e a mídia

Política Nacional para o programa Contraponto, da RadioCom, de Pelotas, RS. O programa vai ao ar de segunda à sexta, às 8h30 e pode ser companhado ao vivo pelo site - www.radiocom.org.br.

Ouça aqui: http://bit.ly/2pjIMzW



Primeiros impactos da lista de Janot a partir dos depoimentos da Odebrecht

12 de abril de 2017 - Análise de Conjuntura Política Nacional para o Jornal dos Trabalhadores, da Rede Abraço SC.

Ouça aqui: http://abracosc.com.br



Brasil: la denuncia de 98 políticos profesionales nombrados en la lista de la Fiscalía

12 de abril de 2017 - Columna de radio en castellano, del politólogo y docente de ciencia política y relaciones internacionales, Bruno Lima Rocha.

Escucha aquí: http://bit.ly/2ohYdGV



Divisão internacional do trabalho

29 de março de 2017 - Análise de Conjuntura Política Nacional para o Jornal dos Trabalhadores, da Rede Abraço SC.

Ouça aqui: http://abracosc.com.br